Postagens populares

terça-feira, 10 de julho de 2012

Detalhamento Rio+20


Por Mateus dos Santos Maschio.

As conferências convocadas pela Organização das Nações Unidas (ONU) geram uma grande mobilização em torno de temas de interesse mundial, tais quais são discutidas e elaboradas ideias para melhorar as condições de vida no planeta e gerar um desenvolvimento mais sustentável. Esse tipo de reuniões, que convocam um público muito diverso, desde ativistas de organizações não-governamentais (ONGs) até governantes, tiveram seu apogeu nos anos 90, mas continuam no século XXI. Após quatro décadas da realização da primeira Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente , realizada em Estocolmo (1972), a primeira a associar de forma consistente questões ambientais ao Desenvolvimento Sustentável na pauta internacional, o mundo passou a possuir dezenas de convenções, protocolos, declarações e legislações nacionais para reverter o quadro de agravamento nas condições ambientais e sociais e desequilíbrios socioeconômicos entre países do Norte e do Sul. Tiveram outras conferências com grande importância em escala mundial após a conferência de Estocolmo, onde se destacam: A Eco Rio 92, realizada em 1992, onde foi discutido a “Agenda 21” e o desenvolvimento sustentável. A conferência de Kyoto, na qual o principal assunto em discussão foi a redução da emissão de gases que geram o Efeito Estufa, ocorreu em 1997. Em 2002, tivemos a conferência de Johanesburgo e em Copenhague no ano de 2009. E finalmente a Rio+20, que ocorreu na cidade do Rio de Janeiro de 13 a 22 de junho de 2012. Participaram líderes dos 193 países que fazem parte da ONU.

A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, foi realizada de 13 a 22 de junho de 2012, na cidade do Rio de Janeiro. A Rio+20 foi assim conhecida porque marcou os vinte anos de realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92) e contribuiu para definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas. A proposta brasileira de sediar a Rio+20 foi aprovada pela Assembléia-Geral das Nações Unidas, em sua 64ª Sessão, em 2009. O objetivo da Conferência foi a renovação do compromisso político com o desenvolvimento sustentável, por meio da avaliação do progresso e das lacunas na implementação das decisões adotadas pelas principais cúpulas sobre o assunto e do tratamento de temas novos e emergentes. A Rio+20 foi composta por três momentos. Nos primeiros dias, de 13 a 15 de junho, aconteceu a III Reunião do Comitê Preparatório, no qual se reuniram representantes governamentais para negociações dos documentos adotados na Conferência. Em seguida, entre 16 e 19 de junho, foram programados os Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável. De 20 a 22 de junho, ocorreram o Segmento de Alto Nível da Conferência, para o qual foi confirmada a presença de diversos Chefes de Estado e de Governo dos países-membros das Nações Unidas. Os dois temas centrais da Rio+20 – a economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza e a estrutura institucional para o desenvolvimento sustentável – foram aprovados pela Assembleia Geral das Nações Unidas de forma consensual entre os 193 países que integram a ONU. Nas reuniões do processo de preparação, os países apresentaram propostas sobre esses temas, buscando resultados que pudessem ser adotados na Conferência.

No decorrer da Rio+20 tiveram aspectos positivos e negativos, mas infelizmente o resultado da Rio+20 não foi o esperado. Os impasses, principalmente entre os interesses dos países desenvolvidos e em desenvolvimento, acabaram por frustrar as expectativas para o desenvolvimento sustentável do planeta. O documento final apesar de ter sido aceito e adotado por todos os países envolvidos, apresenta várias intenções e joga para os próximos anos a definição de medidas práticas para garantir a proteção do meio ambiente. Muitos analistas disseram que a crise econômica mundial, principalmente nos Estados Unidos e na Europa, prejudicou as negociações e tomadas de decisões práticas.


Fontes: 







Resultados...


Jonathan Kreutzfeld





Um comentário:

  1. Realmente são poucos os países que tem interesse de cuidar do meio ambiente. As nações ricas só falam, mas não fazem sua parte. Mas o povo precisa dessa fala sempre. Quem sabe um dia de tanto falar as grandes potencias começam a mudar e apoiar quem realmente quer ver um mundo mais sustentável.

    ResponderExcluir