segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Incidência de assuntos de Geografia no Vestibular da Acafe (2007-2016)

Neste estudo de incidências, analisei na realidade os temas que aparecem em questões da prova. Por exemplo, uma questão sobre o Brasil onde o estudante precisa compreender a atividade econômica de cada região do país para responder algo sobre recursos hidrográficos, vai ter um ponto anotado em cada assunto. Por este motivo temos mais ocorrências do que questões em si. O mesmo acontece com questões de atualidades que podem falar desde Blocos Econômicos até sobre terremotos em uma só questão!

GRÁFICO SOBRE A INCIDÊNCIA DE TEMAS / ASSUNTOS DE GEOGRAFIA
ACAFE (2007-2016)


Então o que deve ser mais estudado afinal?

Bom, Atualidades e Santa Catarina aparecem em todas as provas, SEM EXCEÇÃO! Aí já temos um bom começo, mas vou fazer uma breve descrição em cada assunto. Eu criei os itens na tabela na medida em que os mesmos apareciam, então não se preocupe com a ordem em que estão descritos.

Geopolítica: Este assunto sempre é remetido no contexto de atualidades, falando em crises econômicas, conflitos, Blocos Econômicos e percebi muitas vezes a China no centro das atenções!

Espaço Rural: Eu esperava mais questões sobre assunto, as que apareceram em geral falavam do agronegócio no contexto econômico e ambiental.

Questões Ambientais: Embora este item eu tenha criado para a incidência do assunto conferências e acordos sobre o clima, sempre que aparecia questões sobre El Niño ou sobre deslizamentos eu acabei pontuando também.

Globalização: Aqui eu coloquei ponto para as vezes que se falava da evolução tecnológica, integração de países em Blocos Econômicos, Neoliberalismo, estes na verdade quase sempre pontuei em Geopolítica junto.

Espaço Urbano: Bem pouco na parte conceitual, na maioria das citações estava no contexto dos problemas ambientais e nos problemas sociais vividos pela população urbana.

Atmosfera: Aqui apareceram conceitos importantes como Efeito Estufa e Aquecimento Global, Troposfera, mas pontuei tudo que se relacionava com o tema. El Niño e as conferências do clima apareceram diversas vezes.

Hidrografia: A maior parte das vezes que se fala de hidrografia é sobre a construção de hidrelétricas no Brasil e por vezes na má distribuição deste recurso pelo país.

População: Aqui eu também me surpreendi, embora as migrações e os inúmeros indicadores de população estejam diariamente em discussão no mundo, na prática menos questões do que eu esperava. A maioria era para analisar tabelas, nada muito conceitual.

Energia: Sobre os recursos energéticos, muita coisa sobre as fontes renováveis que se destacam no país e claro, sobre petróleo. A energia nuclear apareceu também em algumas assertivas sobre os acidentes em Chernobyl e Fukushima.

Vegetação: Eu pontuei para vegetação onde realmente o estudante precisava realmente ter conhecimento sobre os Biomas ou Domínios Morfoclimáticos ou conceitos como Hotspot. Quando falava em desmatamento sem se referir à algum lugar específico eu nem pontuei. Mas isso ocorreu diversas vezes e foi pra Questões Ambientais apenas.

Santa Catarina: Todas as provas tinham 1 ou 2 questões sobre qualquer tema que envolva o estado, quer passar na Acafe em curso muito concorrido? Não erre questões aqui de jeito nenhum! Se acabar sendo anulada, lamente muito!

Brasil Economia Regional: Neste item eu pontuei quando aparecia sobre governos do Brasil, divisão regional e claro a caracterização econômica, em geral essas questões tinham tabelas ou mapas e solicitavam análises regionais e comparações entre as mesmas.

Geologia: Quase sempre eram questões relacionadas aos terremotos ocorridos recentemente ou sobre deslizamentos de terra e processos erosivos. Bem previsível isso nos estudos de atualidades.

Cartografia: Uma questão sobre escala e outra sobre projeções.

Movimentos da Terra: Minimamente, precisava entender o que é translação e rotação.

É isso aí pessoal, espero ter ajudado a nortear o estudo de vocês!


Jonathan Kreutzfeld

TABELA DE INCIDÊNCIAS


Incidência de assuntos de Geografia no Vestibular da UFSC (2010-2015)

Neste estudo de incidências, analisei na realidade os temas que aparecem em questões da prova. Por exemplo, uma questão sobre o Brasil onde o estudante precisa compreender a atividade econômica de cada região do país para responder algo sobre recursos hidrográficos, vai ter um ponto anotado em cada assunto. Por este motivo temos mais ocorrências do que questões em si. O mesmo acontece com questões de atualidades que podem falar desde Blocos Econômicos até sobre terremotos em uma só questão!

VEJA TAMBÉM:




GRÁFICO SOBRE A INCIDÊNCIA DE TEMAS / ASSUNTOS DE GEOGRAFIA
UFSC (2010-2015)


Então o que deve ser mais estudado afinal?

A prova da UFSC é em geral bastante complexa e aborda em todos os anos muitos conteúdos, mas é possível identificar um foco em conflitos internacionais, blocos econômicos, economia brasileira, vegetação e Santa Catarina.

Geopolítica: Tudo que diz respeito ao relacionamento de países ou laços econômicos é muito importante na prova da UFSC! Notei que quase todas as provas cobravam conhecimentos sobre o continente africano. Para este ano, neste item acredito que teremos questões sobre as migrações de africanos e sírios para a Europa.

Espaço Rural: Pouco cobrado, mas quando foi era mais relacionado com os impactos ambientais. Apareceu também em questões sobre êxodo rural e participação na economia brasileira.

Questões Ambientais: Embora este item eu criei para a incidência do assunto conferências e acordos sobre o clima, sempre que aparecia questões sobre El Niño, enchentes ou deslizamentos eu acabei pontuando também.

Globalização: Neste item, em geral questões sobre as revoluções industriais e como elas nos levaram à evolução tecnológica dos meios de comunicação.

Espaço Urbano: Bastante sobre rede urbana brasileira e catarinense, os conceitos e os problemas socioambientais também apareceram.

Atmosfera: Bastante conceitual, e também de identificação de climas no Brasil e no Mundo.

Hidrografia: Em questões sobre economia ou mesmo sobre vegetações do Brasil, apareceu bastante a correlação com as bacias hidrográficas. Em geral sobre as bacias, pouco sobre conceitos.

População: Sobre a população, devemos esperar coisas sobre migrações e da parte conceitual, tabelas ou pirâmides etárias para interpretar as condições de algum país.

Energia: Em geral sobre a produção de petróleo no Brasil e no mundo. Fora isso uma ou outra sobre hidrelétricas também.

Vegetação: Saber onde ficam os domínios vegetais ou biomas brasileiros é bem importante. Quase sempre a vegetação é cobrada contextualizada com a economia, hidrografia ou clima de algum lugar.

Santa Catarina: Todas as provas tinham questões completas sobre o assunto e as vezes ainda aparecia mais alguma coisa em assertivas de questões sobre outros assuntos. A maioria tinha mapa do estado e cobrava de forma bem abrangente dentro do tema representado escolhido.

Brasil Economia Regional: Neste item eu pontuei quando aparecia sobre governos do Brasil, divisão regional e claro a caracterização econômica, em geral essas questões tinham tabelas ou mapas e solicitavam análises regionais e comparações entre as mesmas.

Geologia: Terremotos, vulcanismo, erosão de solo e divisão de relevo brasileiro são os assuntos de maior incidência.

Cartografia: Nenhuma questão.

Movimentos da Terra: Fusos horários brasileiros, noções de coordenadas geográficas e consequências da translação ou rotação.

É isso aí pessoal, espero ter ajudado a nortear o estudo de vocês!

Jonathan Kreutzfeld

TABELA DE INCIDÊNCIAS




Redação Nota 1000 – Milícias: A Insegurança e o Medo



Série de postagens de redações que atingiram nota máxima, considerando os critérios do Enem e ou de importantes vestibulares do Brasil.

A redação a seguir foi proposta e corrigida pelo professor Antônio Carlos Rocha do terceiro ano do Ensino Médio da Escola Barão do Rio Branco de Blumenau - SC.

Por Diego Daniel de Amorim Camilo Reif

Milícias: A Insegurança e o Medo

As favelas, além de sofrerem com o descaso do Estrado que possibilita um intenso tráfico de drogas nessas regiões, têm outro grande problema: as milícias. Fingindo serem os “mochinhos” que trarão um fim para a criminalidade, os milicianos acabam por ser um verdadeiro terror para quem mora em uma favela. Assim, vê-se a necessidade de desmilitarizar a polícia para que essa não abuse de seu poder.

Os milicianos, ao se apresentarem como policiais são vistos como uma salvação para os moradores. Mas, como diz o filósofo Thomas Hobbes, “o homem é o lobo do próprio homem”, passando por cima de outros para adquirir poder. Assim, apoiados por parte da população que acredita que “bandido bom é bandido morto”, as milícias tomam o controle de inúmeros aglomerados populacionais do país, principalmente no Nordeste.

Além disso, historicamente falando, os favelados são pobres que foram largados em morros pelo Estado a fim de serem ocultados da realidade social. Assim, com uma precária saúde pública, uma altíssima evasão escolar e uma quase inexistente segurança, a população dessas regiões se vê na obrigação de aceitar os absurdos impostos pelas milícias, como o pagamento de taxas, tanto pelo medo quanto pela necessidade de proteção.

Dessa forma, além da desmilitarização da polícia, vê-se a urgente necessidade de criação de unidades de saúde e de escolas pelo Governo Estadual em regiões carentes nesse quesito, como as próprias favelas. Já a investigação de milícias já existentes e a prevenção de novas devem ser realizadas pelo Governo Federal com o apoio dos estados vizinhos, a fim de acabar com as influências políticas dentro das milícias.